Agora:

Fato Popular

Compartilhe

Notícias

06/10/2021

DEBATE 88: Banalização da Santa Ceia

< Voltar
DEBATE 88: Banalização da Santa Ceia

Debate 88 (08/10): Banalização da Santa Ceia

Este é o período do mês em que a grande maioria das igrejas realiza o culto de Santa Ceia. Algumas no primeiro domingo, outras no segundo domingo. Este pode ser considerado o culto mais importante de todos, já que é o momento em que nos lembramos que um dia Jesus entregou a própria vida para que fossemos livres dos nossos pecados. É algo tão profundo, mas que passa despercebido por muitos. Cristo não tinha pecado algum, mas derramou seu sangue para nos salvar. Esta era a única forma de podermos ter acesso ao pai. Ele levou sobre si as nossas dores. O castigo que nos traz a paz estava sobre Ele. Ele ressuscitou ao terceiro dia! Ele não está morto, mas vivo! Você consegue perceber o quão extraordinário é isto que acabei de dizer?

Para lembrar-nos de sua morte, o próprio Cristo nos ensinou que devemos partir o pão, que representa o seu corpo entregue por nós, e tomar o cálice, que faz menção à nova aliança de seu sangue, derramado em nosso favor. Devemos fazer isto para anunciar a morte do Senhor, até que ele volte para nos buscar. E, sim, isto é maravilhoso. Mas há um detalhe muito importante ao comer do pão e beber do vinho, em memória da morte de cruz em que Jesus se entregou por nós. Participar da ceia do Senhor pode nos salvar ou condenar.

Na primeira carta de Paulo aos Coríntios, está escrito que quem come o pão e bebe o cálice indignamente será “culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor”. Cada membro do corpo de Cristo precisa examinar si mesmo antes, a fim de não comer ou beber para sua própria condenação. É algo tão sério, que deveria despertar um verdadeiro temor em nossos corações. Não medo, mas o temor do Senhor. Seriedade com aquilo que estamos lidando. É algo tão significativo! O maior sacrifício da história aconteceu por minha causa, por sua causa, para vivermos de maneira abundante, para a glória de Deus. E é isso que vemos?

Antigamente era comum ver a preocupação das pessoas ao tomar a ceia. Mesmo aqueles que, por vezes, tropeçavam na caminhada, ao se aproximar a ceia, sentiam a necessidade latente de concertar a vida e arrepender-se, antes participar do partir do pão. Mas como é hoje? As pessoas continuam com a mesma seriedade, com o mesmo temor? Ou a profundidade do sacrifício de Cristo sequer é mencionada? A santa ceia está banalizada? É sobre isso que vamos conversar hoje, no Debate 88.

Perguntas:

É a santa ceia que está banalizada ou as pessoas perderam o temor com o evangelho, no geral?

As pessoas realmente tinham mais temor antigamente?

Os pastores têm sabido conduzir a igreja à importância do ato da ceia? Por um lado, existem aqueles que tratam de uma forma mais leve. Por outro, há quem se aproprie da ceia para ameaçar e assustar aqueles que precisam se concertar de um pecado.

Falando agora sobre comunhão. Por que é necessário ter comunhão com os irmãos ao participarmos da ceia?

Se no momento do culto de ceia, ao me examinar, percebo que não estou digno de tomar a ceia. O que devo fazer? Recuso o pão e o vinho, ou devo pedir perdão a Deus, participar e me concertar logo depois (se for algo contra a algum irmão, por exemplo)?

E as pessoas que frequentam todos os cultos da igreja, mas não participam da ceia?

Para finalizar, gostaria que cada pastor concluísse com um conselho àqueles que estão sem cear há muito tempo.